Preservação e progresso andam juntas

Muito se tem discutido a respeito do projeto que altera a Lei Complementar Municipal de nº 007/2012, que trata do parcelamento e ocupação do solo urbano. Apesar dos erros da lei em vigor, o projeto traz modificações no gabarito dos imóveis a serem construídos na zona urbana, na Vila de Alter do Chão e em outras comunidades que margeiam o Tapajós. Acho que tudo deve ser regulamentado, mas não se pode cultivar uma ideia ortodoxa de que tudo deve continuar como antes. O progresso é uma necessidade que as pessoas não podem ignorar. Logo, preservar e progredir tem que se alinhar para o presente e para o futuro.