COSANPA em Santarém pode entrar em colapso por falta de investimentos

sexta-feira, junho 17, 2016 0 Comments


COSANPA em Santarém pode entrar em colapso por falta de investimentos
A empresa está no limite e não tem o que fazer, a não ser o Governo do Estado investir aqui para resolver problemas pontuais. “Verificamos que o sistema está prestes a entrar em colapso por falta de investimentos e a cidade ficar meses sem água”, observou Reginaldo Campos (PSC).
 Uma comissão de vereadores, formada pelo presidente Reginaldo Campos (PSC), Geovani Aguiar (PTN), Valdir Matias Júnior (PV), Maurício Corrêa (PTB), Júnior Tapajós (PR), Dayan Serique (PPS), Ivete Bastos (PT) e Erasmo Maia (DEM) visitou, na manhã desta quinta-feira, 16/06, a Gerência Regional da COSANPA em Santarém, localizada no complexo de abastecimento Irurá, onde foi recebida pelo gerente Sérgio Campos. Na oportunidade, eles foram informados sobre a real situação de funcionamento da empresa em Santarém e na região.
Um fato quase unânime foi constatado pelos vereadores, a falta de investimentos. Para o vereador Valdir Matias Júnior (PV), de imediato se faz necessário, ações de melhorias no sistema de abastecimento d’água. Ele disse que o grande problema está na falta de recurso financeiro, para a manutenção do sistema. Defende um encontro em Belém para que sejam reivindicados os investimentos necessários.
Já o vereador Mauricio Corrêa (PTB) argumenta também em torno de uma comissão de vereadores que possa ir a Belém, exigir da direção estadual da COSANPA, o respeito que seus usuários em Santarém merecem. Segundo ele, “há muito desperdício de recursos nos investimentos feitos nos últimos anos, além da burocracia e não se resolve nada”. Acrescenta ser possível a Câmara intermediar junto ao estado, já que o investimento não existe, uma vez que o diretor regional da empresa, em Santarém, dispõe de 7 mil reais para mês para gerir as ações.
No entendimento do vereador Erasmo Maia (DEM), aliado a falta de investimento, está o fato das decisões e do recurso financeiro, estar concentrado em Belém. Ele defende que, com o dinheiro arrecadado em Santarém, a Companhia possa fazer um fundo de caixa, para investir nas demandas locais e fazer um atendimento ao sistema de abastecimento de água, “inclusive com apoio da comunidade”.
Para o vereador Junior Tapajós (PR), um dos grandes problemas é que a arrecadação feita em Santarém vai toda para Belém. “O que volta é irrisório, não passam de 7 mil reais. A gerencia regional também não tem autonomia para gerir a empresa”. Tapajós defende recursos maiores, para manutenção imediata dos problemas menores que impedem o bom funcionamento da COSANPA.
Dayan Serique (PPS), disse que o grande gargalo é a falta de autonomia financeira. Para ele, a  regional da COSANPA arrecada cerca de R$ 1 milhão e o retorno é de R$ 7 mil por mês. Segundo Serique, se fosse repassado 15% desse valor, não iria resolver os problemas anacrônicos da CONSANPA, mas daria para fazer a manutenção do sistema.
Geovani Aguiar (PTN), assegura que o escritório regional da Cosanpa, está entregue ao abandono. “Não tem retorno de Belém”. Defende a ida de uma comissão de vereador a Casa Civil do Governo do Estado, na busca de solução para o problema.
Na opinião da vereadora Ivete Bastos (PT), a Cosanpa em Santarém, “está entregue ao caos. O governo do estado não tem compromisso com Santarém e nem com a região, os recursos são insignificantes, para a ampliação do sistema, temos que pressionar o governador”, defende.
Narciso Sena, presidente do Sindicato dos Urbanitários, assegura que o abastecimento de água em Santarém, “é um caos, não houve execução nas obras de ampliação do sistema, a empresa está sucateada, tem material exposto na chuva se estragando, não tem investimento para o trabalho da gerencia”, assegura.
O presidente da Câmara, vereador Reginaldo Campos (PSC) esclareceu que a Presidência da Câmara marcou a visita, atendendo pedido dos vereadores que há muito tempo discutem a situação da falta de água em Santarém. Segundo ele, os vereadores constataram que têm sido feito esforços no sentido de manter o serviço de abastecimento de água à população, mas que esses esforços estão no limite e não tem o que fazer, a não ser o Governo do Estado investir aqui para resolver alguns problemas pontuais. “Verificamos que o sistema está para entrar em colapso e a população não tem recebido o serviço à altura do que necessita”, constatou.
Reginaldo também observou que houve grandes investimentos do Governo do Estado em infraestrutura, “mas não está operando. Quatro sistemas foram construídos, sendo um no Livramento, Elcione Barbalho, Álvaro Adolfo e Irurá, mas não são utilizados porque foram mal feitos. A empresa responsável pelo projeto fez o investimento de forma errada e esse grande investimento não está sendo utilizado em favor da população. Então, é preciso que se responsabilize as empresas e os gestores que autorizaram esses serviços”, assegurou.
Reginaldo Campos pontuou outros problemas enfrentados pela direção local da COSANPA, como o crescimento da população da cidade, “enquanto a empresa ainda opera com o mesmo sistema de 12, 15 anos atrás. O escritório local não tem autonomia para resolver pequenas intercorrências do dia-a-dia, pois depende de Belém e isso prejudica o serviço e o relacionamento da COSANPA com a população. Também há um potencial muito grande para melhorar sua arrecadação, mas não faz isso.
O presidente informou que a Câmara de Santarém vai solicitar a cooperação dos deputados da região, como Júnior Hage, Júnior Ferrari, Airton Faleiro e Hilton Aguiar, para fazer coro junto à Presidência da COSANPA e o Governo do Estado “para que resolva a calamidade pública que se tornou o abastecimento de água em Santarém, apesar de todos os esforços que a direção local faz”. Segundo ele, é preciso uma ação emergencial para Santarém. “Se não houver uma ação rápida, o serviço de abastecimento de água na cidade poderá entrar em colapso e a cidade ficar meses sem água”, concluiu.
Para gerente da Cosanpa, a população não aguenta mais – O gerente regional da Cosanpa em Santarém, Sérgio Campos, agradeceu a visita dos vereadores, que segundo ele, acendeu a esperança de avançar na busca de soluções. “O presidente Reginaldo disse que nossa população está com sede de água e tem sede de justiça porque foram milhões e milhões de reais investidos e cadê os benefícios para a população?”, destacou.
Ele disse que apesar dos grandes rios que cercam a cidade e o maior aquífero do mundo estar aqui, “parte dos moradores, da Borges Leal pra cima, estão numa situação de deserto, pois é uma área de precariedade. É um desabafo, mas é a verdade”, ressaltou. Sérgio disse esperar que a visita dos vereadores possa resultar em soluções, “pois chegamos no limite e a população não aguenta mais. O governador precisa ter consciência do que está acontecendo, de onde precisa corrigir as coisas, onde melhorar. Porque a empresa tem condições de prestar serviço excelente para a população”, acrescentou.
Para Sérgio Campos, os milhões investidos ainda não chegaram até a população. “Nós estamos do lado da verdade. Acredito que a visita dos vereadores será um divisor de águas para que a população honre a sua fatura e nós vamos ter musculatura para prestar um grande serviço à população”, finalizou.
Blog do Colares com informações da ASCOM/CMS

José colares

Some say he’s half man half fish, others say he’s more of a seventy/thirty split. Either way he’s a fishy bastard.