A privataria tucana, versão paraense

segunda-feira, agosto 22, 2016 0 Comments

Pelo ar risonho da reportagem do panfleto tucano/liberal, informando que há cerca de 500 pedidos de abertura de poços artesianos aos órgãos competentes, só na região metropolitana de Belém, tudo indica que Simão intenta entregar adiante a Companhia de Saneamento do Pará(COSANPA), passando para a posteridade como o governador que transformou o abastecimento de água, um direito básico da população de um estado riquíssimo em volume dágua, em negócio onde o lucro é mais importante que a cidadania.

Já havia inscrito seu nome na galeria da privataria tucana quando, como secretário de governo, comandou a entrega da distribuição de energia elétrica à iniciativa privada, marcando um período de trevas, com o perdão pelo trocadilho infame, caracterizado pela socialização do prejuízo, privatização do lucro e o fatal apagão que nos assolou ao longo desses anos.

A julgar pelo descalabro que foi a privatização da energia elétrica, nada se pode esperar da privatização da água, em termos de melhora do serviço prestado à população. Simão colocou o dinheiro público pra avalizar as inúmeras cagadas feitas pela empresa que comprou(?) a Celpa e faliu junto com o sistema, daí não se poder esperar nada diferente em relação ao precioso líquido.

Enfim, tudo indica que o atual governador tucano passará tristemente à história administrativa deste estado como o governante que nos tornou à condição pré republicana, onde a população deve viver à mercê dos interesses de detentores de direito divino, precedentes aos direitos básicos de milhões de seres humanos. Paciência. Foi o preço salgado pago pela população paraense por sua escolha. Como fomos lanternas na adesão à independência, provavelmente passaremos décadas para adentrar no republicanismo administrativo que se espera para o século XXI. Que a história registre os nomes dos infames responsáveis por esse trágico atraso.

José colares

Some say he’s half man half fish, others say he’s more of a seventy/thirty split. Either way he’s a fishy bastard.