Ufopa denunciada na Justiça acusada de aplicar calote em empreiteira

terça-feira, julho 18, 2017 0 Comments

Empresa, através do advogado João Jorge Hage, moveu ação contra Ufopa, alegando que não recebe pagamento desde janeiro de 2017.
A empresa Maz Contruções Eireli, que ganhou a licitação e estava construindo o bloco modular para a UFOPA – Universidade Federal do Oeste Pará, após diversas tentativas amigáveis para receber seus créditos e após sofrer perseguição por parte da administração, ajuizou AÇÃO ORDINÁRIA DE COBRANÇA COM OBRIGAÇÃO DE FAZER C/C PERDAS E DANOS E PEDIDO DE TUTELA DE URGÊNCIA COM O ESCOPO DE PARALISAR A OBRA ATÉ A CORRETA MEDIÇÃO JUDICIAL ATRAVÉS DE PÉRÍCIA E CONSEQUENTE PAGAMENTO distribuída para a 1.a Vara Federal de Santarém, devendo a UFOPA ser citada através de sua Reitora, Professora Raimunda Nonata Monteiro.
A empresa, através do advogado João Jorge Hage, alegou na justiça que a UFOPA vem dando motivos para não cumprimento do prazo estabelecido em contrato. Tanto que o último pagamento efetuado para a empresa ocorreu em 12/12/2016. Portanto, a empresa encontra-se há 06 (seis) meses sem receber qualquer valor, mesmo assim continua na obra com operários e materiais.
Alega a empresa que não quer a rescisão do contrato, quer a sua plena execução, porém, necessita receber pelo que já executou e ter a garantia de recebimento do que ainda executará.
Pelo que consta, a contratação por parte da UFOPA, ocorreu através do competente processo licitatório, modalidade concorrência n.º ‪001/2012, que ensejou o contrato n.º 017∕2013, para o fim de prestar os serviços de execução da Obra de Construção do Bloco Modular Padrão Campus Tapajós.
Consta que a UFOPA erroneamente não empenhou toda a obra, já que a Maz Construções foi vencedora do certame apresentando preço global e para a construção dos 04 (quatro) blocos, o valor total do contrato é de R$ 53.201.747,44 (cinquenta e três milhões, duzentos e um mil, setecentos e quarenta e sete reais e quarenta e quatro centavos) o qual foi reduzido pelo primeiro termo aditivo subtrativo para R$ 52.081.664,39 (cinquenta e dois milhões, oitenta e um mil, seiscentos e sessenta e quatro reais e trinta e nove centavos).
A empresa em mais de trinta páginas aponta diversas distorções na UFOPA, chegando a mencionar “falta de comando” e “desídia dos técnicos”.
Aduz a empresa que quase todos os pagamentos executados foram realizados com atraso. Além de subtraírem itens executados. E, que a UFOPA obriga a empresa a trabalhar com preços defasados, isto é, desde o ano de 2013 não consta qualquer reajuste.
A empresa, pelo que consta, quer submeter a obra em perícia judicial. Mas, pelo que se tem notícia, a empresa denunciará situação para o TCU – Tribunal de Contas da União, porque entende que o problema de gestão comprometeu o bom andamento da obra. Além de algumas irregularidades em contratar uma assessoria para atos de gestão, entre outras.
Muitos foram os pedidos na ação, destacando-se:
A suspensão do contrato de n.º 017∕2013, cujo objeto é a execução da Obra de Construção do Bloco Modular Padrão Campus Tapajós da requerida, até conclusão da perícia a ser determinada pelo Juízo;
Que a UFOPA se abstenha de qualquer meio para rescindir o contrato n.º 017∕2013. Assim como, seja proibida de contratar qualquer outra empresa até o deslinde da ação.
Que a UFOPA se abstenha de cobrar qualquer multa por atraso na obra, eis que está provado no processo que a empresa Maz Construções não deu causa para tanto.
Que a UFOPA pague para a empresa o valor medido e executado na importância de R$ 1.219.367,96 (um milhão, duzentos e dezenove mil, trezentos e sessenta e sete reais e noventa e seis centavos).
O pagamento do que foi subtraído de valores e que a empresa executou e não foi reconhecido pela UFOPA e mais a diferença do reajuste não aplicado ao contrato desde o ano de 2013.
Acima apenas uma síntese de toda a situação que já foi recepcionada pelo Dr. Domingos Daniel Moutinho, Juiz Federal, que decidirá sobre o pedido de tutela de urgência após “ouvir” a UFOPA, conforme despacho abaixo:
“A inicial e documentos não deixam dúvidas da falta de comando, desídia e consequente falta de compromisso por parte da administração da UFOPA como um todo. O Juízo da 1.ª Vara Federal de Santarém despachou mandando citar a UFOPA para depois analisar o pedido de tutela de urgência. Registro que, a falta de compromisso com a lei e com a coisa pública é tão grande por parte da atual administração da UFOPA que a MAZ foi proibida de protocolar qualquer documento no protocolo geral. Um absurdo que fere mortalmente o constitucional direito de petição. Tal protocolo tem o objetivo de procurar saber sobre uma empresa de tem um registro de preços de manutenção que está construindo na UFOPA. Parece que já está no restaurante e querem colocar essa dita empresa para terminar as outras obras”, disse o advogado João Jorge Hage à nossa reportagem.

Fonte: RG 15/O Impacto

José colares

Some say he’s half man half fish, others say he’s more of a seventy/thirty split. Either way he’s a fishy bastard.