PM não tem apoio do Estado, diz diretor de Associação

Cabo J. Lima representa os PMs
“Sem apoio do Estado não podemos fazer nada para mudar esse cenário de violência”, disse o diretor administrativo da Associação de Cabos e Soldados PM e BM, cabo P. Lima, ao comentar sobre os números de policiais mortos e feridos. Segundo ele, há três anos a polícia não recebe reajuste salarial e durante este tempo já houve diversos pedidos de reunião com o governo do Estado para discutir melhores condições de trabalho e também Segurança para os policiais militares e civis.
A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) e também a Polícia Militar sempre informam que estão investindo em treinamentos e capacitação de policiais militares. Porém, nem sempre o problema relacionado aos assassinatos de policiais envolve somente a reciclagem e capacitação dos agentes. Muitos moram em áreas de conflito e de risco, como aponta a própria Associação.
Além disso, para melhorar e garantir o sustento digno da família alguns policiais precisam fazer serviços extras como seguranças particulares para conseguir aumentar a renda. Isso os deixa ainda mais em evidência diante da criminalidade.
Armas de policiais são objetos de desejo de criminosos
Nos casos em que os policiais foram vítimas de latrocínio (roubo seguido de morte) o alvo dos bandidos são as armas dos militares. Esse é um problema que ainda persiste neste cenário de violência. No último dia 2 janeiro Regina Gisele da Silva Barros, 28, foi presa na Seccional da Cidade Nova acusada de estar envolvida no roubo de uma arma de um capitão da Rotam.
O crime aconteceu na Cidade Nova e até um adolescente é acusado de participar do grupo. O caso tramita em segredo de Justiça. Se na ação do roubo o policial tivesse reagido, ele também poderia ter perdido a vida, já que foi vítima de uma emboscada. Teve até uma arma apontada para a sua cabeça.
Não é somente os policiais militares que estão sendo vítimas da violência no Estado, este ano. Outros agentes de segurança pública também estão perdendo a vida para a insegurança. No último final de semana, um guarda municipal de Castanhal foi assassinado no conjunto Satélite, em Belém. O caso é investigado pela Divisão de Homicídios de Icoaraci.
Fonte: Diário do Pará