Mostra Cultural destacará a história e música do Tapajós

Para comemorar o aniversário de Santarém, o Conselho da Mulher Empresária da Associação Comercial e Empresarial de Santarém – CME da Aces realizará a solenidade de entrega da Medalha Mérito Cultural “Maestro Wilson Dias da Fonseca” as personalidades do Tapajós: Antônio Lisboa Paixão e Padre Sidney Augusto Canto. O Evento será realizado nesta terça-feira (19/06), às 19 horas, no Centro de Artesanato Cristo Rei.
Realizado anualmente em parceria com a Prefeitura de Santarém, este ano as homenagens farão referência à história e a música da nossa região. O padre Sidney Canto receberá a comenda por ser exímio pesquisador de Santarém e cidades do Baixo Amazonas, o que permite que a geração atual conheça os anteriores contextos históricos, econômicos e culturais dos municípios.
Em exaltação a cultura musical, o conselho homenageará o músico Antônio Paixão (conhecido como Marreta), um entusiasta do ritmo regional, tendo como seu maior mérito a consagrada Banda Tapajoara, criada em 1967, além de ser um incentivador do carnaval local, mantendo o bloco de rua “Só Fuleragem”.
SOBRE OS ARTISTAS
Antônio Paixão – músico desde os 16 anos, o jovem artista começou atuando como baterista em diferentes grupos musicais. Em 1967, acompanhado de seus amigos formou a primeira banda chamada de “The Big Boys”.  O grupo musical ganhou destaque nos eventos da cidade e, ao ser convidado para uma apresentação que exaltava a cultura tapajônica, passou a ser chamado de Banda Tapajoara. Até hoje a banda mantém o prestígio e reconhecimento, que se transformam em agendas de apresentações nas cidades do Pará e Amazonas.
Aliado a música, Antonio Paixão é um brincante dos blocos de carnaval. Desde 2005, tradicionalmente nas quartas-feiras de cinza reúne centenas de pessoas no bloco “Só Fuleragem”, invadindo as principais ruas do centro da cidade com brincantes dispostos a encerrar o período carnavalesco regado à diversão e alegria.
Pe. Sidney Canto – é um formidável escritor de artigos sobre história regional do Tapajós. Suas relevantes pesquisas ganham páginas de jornal, blogs e revistas da região Oeste do Pará. Foi no ensino colegial que despertou grande interesse pela História de Santarém, e a partir de então passou se dedicar a pesquisa. Influenciado pelas amizades e convívio com os maestros Wilson e Wilde Dias da Fonseca e o poeta Emir Bemerguy, além de outros nomes da cultura santarena, passou a se aprofundar ainda mais neste assunto. Sempre atento à memória e cultura do povo, além do campo eclesiástico, participou da criação das entidades – Academia de Letras e Artes de Santarém – ALAS e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós – IHGTap.
“Recordare: Histórias da Fé e da Cultura do povo de Santarém” (2006); “Índios no Baixo Amazonas e Tapajós: histórias e costumes”; “Alter do Chão e Sairé: contribuição para a história”; “A Festa da Padroeira de Santarém” e “De Cuiabá a Santarém: anotações históricas” (2014) são algumas publicações frutos de suas incansáveis pesquisas.
Fonte: RG 15/O Impacto e Keliane Sousa/ACES