Denúncia – Lama sai das torneiras em Santarém

sexta-feira, outubro 07, 2016 0 Comments

Água inapropriada para consumo revoltou moradores


Água inapropriada para consumo revoltou moradores
Água inapropriada para consumo revoltou moradores
Não é de hoje que os moradores do bairro da Esperança, em Santarém, oeste do Pará, sofrem com o precário abastecimento de água. O principal problema apontado pela concessionária dos serviços de abastecimento de água está no fato das tubulações que levam o líquido precioso para o referido bairro, serem de cimento amianto, material que rompe com facilidade, devido ao esgotamento pelo tempo de uso (há mais de 40 anos que foram implantados, e que já deveriam ter sido substituídos).
Nesta semana, os moradores do bairro da Esperança, contaram à nossa equipe de reportagem, que levaram um susto quando ligaram as torneiras de suas casas, na manhã de sexta-feira, 30 de setembro. Segundo eles, ao invés de água, saiu muita lama das torneiras de diversas casas. Os moradores cobram uma posição oficial da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) no que diz respeito à qualidade da água servida à população, tanto no referido bairro, quanto em outros bairros de Santarém.
A dona de casa, Luciene Freitas comenta que depois de sucessões de falta de água no bairro, por conta de um problema na adutora da Cosanpa, quando o líquido retornou foi totalmente impróprio para o consumo. “Desde sexta-feira que esse problema começou. Isso é lama pura! Esse líquido não serve pra nada, nem pra lavar roupas. O pior de tudo é que somos esquecidos pelo poder público. Em plena campanha eleitoral acontece isso nas casas, onde ao invés de água, mandam lama pra população consumir”, dispara Luciene.
Ela acrescenta que os moradores da Esperança padecem há décadas por falta de uma boa qualidade e distribuição de água pela Cosanpa. “O que ainda dá pra gente ir levando a vida aqui, é que alguns vizinhos têm poços artesianos. Pra beber e fazer comida dependemos da boa vontade deles. Tem gente que vai buscar água até na escola do bairro. Tudo isso porque falta água o tempo todo aqui e, quando vem é desse jeito: lama pura!”, reclama Luciene.
IMPROVISO E MUITO SACRÍFICIO: Nos fins de semana, segundo os moradores, muitas pessoas deixam de aproveitar a folga – e ao invés do lazer, e até mesmo do descanso -, utilizam-se das mais variadas formas, para garantir a quantidade de água necessária para fazer as diversas atividades domésticas do dia-a-dia. De acordo com os moradores, tem pessoas que improvisam, buscando o abastecimento em escola e em poços de vizinhos. Outros apelam para o fechamento de ruas, como forma de manifestar a insatisfação com a falha na prestação de serviço, pela Cosanpa.
Em alguns casos, para o consumo, eles denunciam que estão comprando água mineral, que é adquirida por valores altos. A maioria das famílias não tem condição de comprar todos os dias.
PROBLEMA CRÔNICO: Ainda de acordo com os comunitários, a falha no abastecimento acontece há mais de dois meses e a Associação de Moradores promete protestar na sede da Cosanpa. “A falta de água aqui no bairro é um problema crônico. Se nada for resolvido, vamos marchar para frente da Cosanpa. Fechamos a rua 11 horas, no mês de agosto e pretendemos voltar com protesto e só liberar o trânsito quando o problema for resolvido. Neste trecho, são mais de quatro mil famílias que estão sem abastecimento há mais de 60 dias. Se contar o bairro todo, são aproximadamente 10 mil pessoas nesta situação”, argumentou o Presidente da Associação, Raul de Jesus.
O morador Wesley Santos diz que a solidariedade dos vizinhos que possuem poço ajuda muito no cotidiano das famílias. Ele afirma que levar água para casa se tornou uma maratona. “Na minha casa só vive faltando água. De manhã cedo a gente tem de correr para encher e ir trabalhar, o que é muito cansativo e prejudica a coluna carregando os baldes. Ainda tem o risco de ser atropelado ao atravessar a rua”, reclama Santos.
Procurada por nossa reportagem, até o fechamento desta reportagem, a diretoria da Cosanpa não se pronunciou sobre o problema da distribuição de água potável, no bairro da Esperança, em Santarém.
Os moradores, revoltados, prometem bloquear a BR 163, no trecho que fica próximo ao bairro, e garantem que somente irão dar acesso aos veículos, depois que o problema da falta de abastecimento de água no bairro for resolvido.
Por: Edmundo Baía Junior

José colares

Some say he’s half man half fish, others say he’s more of a seventy/thirty split. Either way he’s a fishy bastard.