INSUFLANDO UMA INTERVENÇÃO MILITAR


É claro que nenhum de nós quer uma revolução de intervenção nos Poderes constituídos. Todavia, a conduta da maioria dos políticos em ações de corrupção; de manejo da legislação para acobertar ações ilícitas; de abuso do poder de legislar para frear atos legítimos do Ministério Público e do Poder Judiciário, sem se falar em certos Ministros do Supremo Tribunal Federal, que ultrapassaram todos os limites da prudência nos seus lugares e nas suas manifestações, nos traz a sensação de que algo mais duro, mais excepcional está para acontecer para frear o espírito do socialismo que invade o País e dos desmandos praticados por várias e várias autoridades. Em outras palavras, o País navega em águas turvas.