Moradores de Belterra e Mojuí revoltados com precariedade de coletivos

Arcon descredenciou empresa Borges, que disponibilizava ônibus para atender usuários


 
Ônibus da empresa Borges
Ônibus da empresa Borges
Na semana passada, os moradores do município de Belterra e Mojuí dos Campos foram surpreendidos pela paralisação total dos serviços de transporte de passageiros realizado pela empresa Borges.  De acordo com informações, a empresa que há vários anos prestava o serviço à população dos dois municípios que integram a Região Metropolitana de Santarém, não conseguiu se regulamentar junto a Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon).
“Os ônibus da empresa Borges eram os que mais atendiam as demandas dos passageiros de Belterra. Tinham mais veículos à disposição, em horários diversos, inclusive uma linha universitária. Sabemos que as fiscalizações são necessárias, mas o que não pode é prejudicar os usuários que precisam do transporte. Se a Arcon descredenciou a empresa, porque ela, também não disponibiliza uma solução que não deixe os passageiros prejudicados, as empresas que permanecem prestando o serviço, não possuem veículos suficientes para atender a demanda. Um coisa que deveria vir para melhorar, acaba por piorar. Imagina você ter que ir uma viagem inteira em pé, em ônibus lotados, até Santarém, ou vice e versa”, reclama o passageiro Sebastião Souza.
De acordo com a Arcon, o objetivo da fiscalização é garantir um melhor serviço aos passageiros, seja no modal rodoviário ou hidroviário. As autuações são para reprimir as ilegalidades quanto a documentação e manutenção dos veículos que realizam as linhas para os municípios.