Zé Carlos: O cidadão que superou seus medos...

quinta-feira, junho 16, 2016 0 Comments

Venceu a dependência química e se tornou um grande campeão

José Carlos Lima Lopes, campeão mundial de Jiu-Jitsu, será um dos condutores da Tocha Olímpica


Zé Carlos - Condutor da Tocha Olímpica,
Zé Carlos – Condutor da Tocha Olímpica
O tamanho dele mete medo. Mas por trás da robustez e da força física, José Carlos Lima Lopes, 37 anos, campeão mundial de Jiu-Jitsu tem um coração maior ainda, que transborda em solidariedade por meio do trabalho voluntário que realiza no centro de recuperação de dependentes químicos (Comunidade Terapêutica Família Feliz) que mantém com a família, em Santarém.
A vida do campeão de Jiu-Jitsu não foi sempre um mar de rosas. Aos 11 anos de idade, quando cursada a 4ª série do ensino fundamental, teve a infelicidade de conhecer as drogas.
“Vim de uma família aparentemente normal. Minha mãe era funcionária pública federal, trabalhava oito horas por dia, mas um certo dia quando eu fazia a 4ª série eu conheci uma pessoa que me ofereceu a droga pela primeira. E fiquei dos 11 até os 16 anos na dependência química. Mas aos 16 anos, eu pedi ajuda porque não aguentava mais viver aquela vida”, conta Zé Carlos.
Na época, Zé Carlos morava em Goiânia (GO). Ficou internado por 13 meses num centro de recuperação para dependentes químicos. Enquanto buscava a recuperação, começou a estudar sobre dependência química, foi fazer um curso de Teologia com especialização em dependência química numa faculdade do Mato Grosso. Casou com uma santarena e nove anos após a sua recuperação veio a Santarém conhecer sua sogra, em 2004.
“Fiquei por 36 dias na cidade e depois retornei para Goiânia. E um ano depois vim de mudança para Santarém, no dia 18 de outubro de 2005. Nós viemos abrir o centro de recuperação. Ficamos três meses para mobiliar uma chácara e em janeiro de 2006 abrimos o centro que hoje já tem 10 anos e meio de funcionamento e já atendeu mais de 3 mil pessoas que aceitaram se tratar da dependência química”, destaca.
Nesse processo de 10 anos de funcionamento do Centro, Zé Carlos conheceu o Jiu-Jitsu e teve o privilégio de participar de uma competição fora, um ano após o início do treinamento, e ganhou seu primeiro título de expressão. “Em 2013 fui campeão na categoria Pesadíssimo; em 2014 fui campeão de novo, em São Paulo; em 2015 fui campeão mundial e chegou a ser finalista na seletiva de Abu Dhabi; e agora em 2016 estou indo atrás do quarto título mundial que vai ser disputado em julho, em São Paulo”.
Atualmente, Zé Carlos é funcionário público, exerce o cargo de diretor da Câmara Municipal de Santarém. Foi eleito recentemente presidente da Associação de Moradores e Produtores da Área Verde (2016-2019).
Zé Carlos treina na Tapajós Figth, com o professor Budé, pessoa que iniciou o trabalho dessa arte marcial em Santarém, já tendo formado mais de 30 atletas faixas-preta, em Santarém. Entre os títulos que acumula, destacam-se: Tricampeão Mundial de Jiu-Jitsu (2013, 2014 e 2015) pela CBJJE – Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Esportivo. Também é bi-campeão da Copa América, campeão Sul-Americano; bicampeão do Open Internacional; campeão do Campeonato Amazonense, que é o maior evento de Jiu-Jitsu do Brasil; campeão santareno, campeão paraense, campeão do Open na Argentina e campeão da Copa Mercosul, também na Argentina.
O RENASCIMENTO PELO ESPORTE. A SAGA DE DANIEL
Daniel Pereira Machado, selecionado para ser condutor da Tocha Olímpica, em Santarém, tem uma história de renascimento por meio do esporte. Nascido em 07 de setembro de 1985, em Manaus (AM), veio para Santarém ainda criança, onde vive até hoje com sua família.
Sua paixão pelo esporte começou na inacabada quadra da Escola Estadual Frei Ambrósio, onde jogava bola com os colegas nos intervalos das aulas. O ótimo desempenho nas quadras fez Daniel sonhar em um dia ser um grande jogador de futebol.
Na adolescência o amor pelo futebol só cresceu e a dedicação levou Daniel a conquistar alguns títulos no esporte amador. Chegou a atuar na categoria de base do Sub-20 da Tuna Luso – clube da capital paraense -, porém o sonho chegou ao fim em 18 de maio de 2008, quando em um acidente automobilístico, o jogador promissor teve a perna amputada.
“No primeiro momento, o sofrimento foi o único sentimento existente em mim. Mas, superada a fase mais difícil, da reabilitação, o esporte me possibilitou mais uma vez a alegria de viver e competir. Hoje, sou integrante de um time de vôlei sentado e este esporte paraolímpico me motiva e me faz acreditar que podemos superar os obstáculos que a vida nos impõe”, declara Daniel.
TRAJETÓRIA DE PROFESSOR MOSTRA QUE ESPORTE E EDUCAÇÃO CAMINHAM DE MÃOS DADAS
 Um dos 100 condutores da Tocha Olímpica Rio 2016, em Santarém, é o professor de Educação Física Jean Mendes. A trajetória do professor é marcada por uma ligação afetiva com o esporte e a educação.
Jean iniciou sua vida no esporte aos 14 anos de idade, em 1991, na modalidade de corrida de rua e nos anos seguintes em pistas de atletismo, disputando provas de 400m e 800m. Posteriormente, em provas de fundo (5km, 10km e Maratonas).
Aos 18 anos, ingressou no Triathlon, modalidade na qual ficou por cerca de quatro anos.
“A vivência no esporte me vez vislumbrar uma área de atuação profissional – a educação física. Após 10 anos sem competir, retornei ao Triathlon. Hoje sou atleta e professor de educação física. Minha trajetória mostra que o esporte e a educação caminham juntos, e que têm uma força transformadora extraordinária”, afirma Jean.
CAMPEÃO NO ESPORTE E VENCEDOR NA VIDA. TEM BORARI NO TRIATLHON
O jeito tímido de Iure Patrício Corrêa Dias não revela a força, a garra e a determinação desse jovem atleta de Alter do Chão, descendente do povo Borari, que vem despontando no cenário estadual e nacional como promessa do Triathlon.
A vida esportiva começou em 2008. Quem vê as medalhas e troféus conquistados em competições dentro e fora de Santarém, nem imagina as muitas dificuldades e obstáculos que Iure teve de superar.
“Minha vida tem sido uma sucessão de batalhas. Mas, graças a Deus, as minhas vitórias servem de exemplo para muitos jovens da minha faixa etária, com os quais convivi na adolescência, que não souberam aproveitar suas vidas e as oportunidades que surgiram. Atualmente, participo de provas nacionais, estaduais e municipais na modalidade Triathlon. Este foi um esporte que mudou a minha vida. Em 2010, tive o privilégio de estar entre os três melhores colocados em nível nacional na minha categoria e hoje faço parte do grupo de corredores de elite na minha região”, conta.
Iure faz da natação, do ciclismo e da corrida seu projeto de vida e história construída com muita luta vem sua força para se tornar um campeão no esporte e um vencedor na vida. “Sempre fui um sonhador e isso me mantém vivo”, assegura.
Hoje Zé Carlos além de grande campeão é um dos mais atuantes e competentes funcionário públçico municipal, exercendo suas atividades no Poder Legislativo Municipal.

José colares

Some say he’s half man half fish, others say he’s more of a seventy/thirty split. Either way he’s a fishy bastard.