Usuários são humilhados na agência do INSS

sexta-feira, agosto 19, 2016 0 Comments

Desorganização no atendimento do INSS em Santarém


Desorganização no atendimento do INSS revolta população
Desorganização no atendimento do INSS revolta população
 “Cheguei aqui cinco horas da manhã. A gente enfrenta todo tipo de situação, inclusive correndo risco de assaltos. Tem que chegar cedo para ser atendido. Quando a Agência abre, ao invés dos atendentes entregarem uma senha de acordo com a posição das pessoas na fila, o guarda recolhe nossas documentações e leva para o balcão, e somente depois é que chamam as pessoas, muitas vezes desrespeitando a ordem de chegada. Além de estarmos passando por dificuldades, somos constantemente humilhados. A gente fica na fila, entra no INSS, muitas das vezes não tem cadeiras para sentarmos, precisamos sentar no chão”, assim desabafou João da Silva, trabalhador autônomo que procurou atendimento na Agência do INSS em Santarém.
Igualmente ao senhor João, são inúmeros os casos de reclamações de pessoas em relação ao atendimento do INSS na cidade. “Já vim várias vezes fazer perícia, e muitas das vezes eles remarcam para outra data. Na minha última vinda aqui, eles remarcaram a minha perícia para dois meses depois. Isso é um absurdo”, reclama uma trabalhadora que está tentando o benefício do auxílio doença.
De acordo com usuários, é perceptível a falta de atenção por parte das pessoas que gerenciam a sede do órgão em Santarém, no sentido de buscar soluções, para melhorar o atendimento aos idosos e demais pessoas que procuram a agência do INSS diariamente.
As pessoas que procuram o órgão federal, ao entrarem no prédio, se deparam com uma cena desoladora. Sem estrutura adequada para fazer atendimento às dezenas de pessoas que diariamente buscam a Previdência, a sede da Agência em Santarém parece mais uma lata de sardinha, de tão apertada que é, proporcionando uma experiência no mínimo desconfortável ao usuário.
Outro alvo de reclamações é quanto ao péssimo atendimento realizado por alguns servidores. “Um simples pedido de informação é considerado uma ofensa, pois eles nos tratam com tanta grosseria, que dá vontade da gente partir para briga. Mas, infelizmente precisamos nos conter, para poder resolver nossa situação”, diz Gorete Santo, que acompanhava sua mãe, na verdadeira via-crúcis a procura de atendimento no INSS em Santarém.
Nossa reportagem esteve na Agência do INSS na última quarta-feira e constatou o sofrimento das pessoas que procuram o Órgão. Na ocasião, mais de 100 pessoas estavam à espera de atendimento, vale ressaltar que essas pessoas chegaram à Agência por volta das 5 horas da manhã e até às 9 horas ainda tinham sido atendidas. Muitas delas estavam sem tomar café, fato que causou revolta e indignação.
DPU PODE AJUDAR: As pessoas que sentirem-se prejudicadas no atendimento no INSS podem procurar o atendimento na Defensoria Pública da União (DPU), se dirigindo ao prédio localizado na Avenida Borges Leal, próximo a Travessa Silva Jardim, no bairro de Aparecida. Os atendimentos são realizados de segunda a sexta-feira, das 08h às 14h. Os casos atendidos devem ser referentes a órgãos federais, como por exemplo, o INSS. O serviço de assistência jurídica pública gratuita é para pessoa que ganha até três salários mínimos, uma vez que a Defensoria Pública trabalha com o público que não tem condição de constituir um advogado. O objetivo é resolver o problema do assistido, de forma administrativa, antes de recorrer à esfera jurídica, porque na Justiça, às vezes as decisões demoram.
A população que teve de alguma forma as suas solicitações negadas na previdência social, por pelo menos duas vezes, devem procurar a DPU com documentações referente aos processos. Não se faz mais necessário procurar o Ministério Público Federal (MPF).
A DPU também atua em casos envolvendo, a Caixa Econômica Federal, Instituto Nacional Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. (IBAMA).
Por: Edmundo Baía Junior

José colares

Some say he’s half man half fish, others say he’s more of a seventy/thirty split. Either way he’s a fishy bastard.