Professores pedem apoio da Câmara para desbloquear matrículas do SOME

sexta-feira, fevereiro 03, 2017 0 Comments

A reunião que ocorreu na sala de comissões, na manhã desta quinta-feira, 02/02, contou com a participação de professores, representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (SINTEP), a presidente da Comissão de Educação da Casa, Maria José Maia (DEM), Didi Feleol (PDT), Ronan Liberal Júnior (PMDB), André do Raio-X (PSDC), e ainda a presença do vereador do município de Belterra, Ulisses Medeiros. Em pauta o grupo expôs a realidade em que se encontra o sistema modular na região, entre as demandas a maior preocupação de pais e professores quanto ao bloqueio do período de matriculas para o SOME.
A justificativa repassada pela Secretária Estadual de Educação (SEDUC) aos professores é de que as matrículas só deverão ser efetuadas após análise do sistema na região, através do diagnóstico realizado pela secretaria.   Diante do problema, os docentes solicitam apoio do Poder Legislativo para que as matrículas sejam efetuadas.
De acordo com a representante do SINTEP, Rainilza Rodrigues, que também faz parte do ensino modular, pais temem que seus filhos não consigam estudar na região onde moram. A professora prosseguiu explicando que o desbloqueio será realizado após o diagnóstico avaliativo do sistema na região e assim espera que as unidades regionais de ensino apresentem as verdadeiras demandas. “Pedimos apoio da Câmara porque a Rede Estadual já liberou as matrículas e o modular passa por essa situação crítica. O início das aulas está previsto para 15 de março e estamos em fevereiro. Nada foi definido, não sabemos se seremos lotados e se os alunos serão matriculados. Pais estão preocupados se os filhos vão estudar ou vai ser preciso mandar este aluno para Santarém e assim deixar sua comunidade”, relata.
Segundo a presidente da Comissão de Educação da Câmara, um documento deve ser apresentado na próxima sessão, a fim de apoiar os educadores e com isso agilizar o processo e desbloqueio das matrículas. “Estamos conversando com os professores para ouvir as demandas, a SEDUC não definiu se permanece ou não com o sistema modular. Enquanto isso as matrículas permanecem bloqueadas. Não podemos perder o sistema e vamos levar essa discussão para o plenário para que  ocorra a matrícula imediata desses alunos e que o ensino modular permaneça na região”, garante.
 SOME – O Sistema de Organização Modular de Ensino faz parte do Sistema Educacional do Pará desde 1980 e hoje, através da lei estadual 7.806/14 funciona como política pública educacional do Estado.

Fonte: RG b15/O Impacto 

José colares

Some say he’s half man half fish, others say he’s more of a seventy/thirty split. Either way he’s a fishy bastard.