Fiscal da Vigilância Sanitária é agredido a socos, pauladas e ameaçado de morte no Mercadão 2000

Um caso sério aconteceu na manhã de sexta-feira, dia 20, durante uma fiscalização da Vigilância Sanitária na área externa do Mercadão 2000, em Santarém. Após atender uma denúncia da Aprusan sobre vendas ilegais naquele logradouro público, um dos fiscais da Vigilância Sanitária, depois que verificou uma venda ilegal de açaí, sem qualquer procedência, foi violentamente agredido pelo vendedor, em companhia de outro parceiro. O fiscal recebeu vários socos pelo rosto e corpo, foi agredido com um cabo de vassoura e ainda foi ameaçado de morte. Foi preciso a interferência de outras pessoas para os ânimos se acalmarem.
“Estávamos em uma ação a pedido da Aprusan, para que pudéssemos retirar isopores podres e sem condições de uso. Ação tudo na normalidade, o fiscal do Mercadão pediu um auxílio para ordenamento de isopores em frente a venda de camarões, foi quando nos deparamos com um isopor com açaí, esse sem procedência e mal acondicionamento. Quando iria ser feita a apreensão do mesmo, dois elementos agrediram o fiscal com socos, quebraram um cabo de vassoura na cabeça dele, o outro puxou uma faca e iria furá-lo, foi quando me meti pedindo calma, mas os dois estavam transtornados. Chamamos a Polícia, depois fomos à Delegacia fazer os procedimentos de praxe. Se os dois eram realmente cidadãos trabalhadores, por que não esperaram a Polícia para resolvermos tranquilamente? Nossa equipe é diariamente hostilizada, precisamos rever nossos protocolos de segurança, trabalhamos diariamente em prol da saúde pública, fazendo a fiscalização, que é compulsória, e necessária para evitar agravos”, assim se reportou Walter Matos, chefe da Vigilância Sanitária de Santarém.
NOTA DA SEMSA: A Prefeitura De Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), lamenta o ocorrido com a equipe de fiscais da Vigilância Sanitária no final da manhã de sexta-feira (20), quando os mesmos estavam em pleno exercício de sua função, que é de fiscalizar e apreender produtos sem qualidade e procedência não comprovadas.
O Agente da Vigilância foi agredido a pauladas, com um cabo de vassoura, na cabeça e ameaçado de morte com uma faca, por um feirante que estava comercializando açaí sem procedência e fora dos padrões de armazenamento, colocando em risco a saúde pública, em uma área do Mercadão 2000.
O caso já foi registrado na Delegacia de Polícia. A Semsa se solidariza com os agentes de fiscalização da Vigilância Sanitária e está tomando todas as providências cabíveis para garantir a segurança e o bom desempenho do trabalho dos ficais.
A Semsa reitera ainda o compromisso com a população em garantir a qualidade dos alimentos consumidos pelos santarenos e vai continuar realizando fiscalizações periódicas nesse sentido.
Fonte: RG 15/O Impacto