Pixica: “Cancelamento do Salão do Livro em Santarém é culpa do Estado”

Secretário de Cultura diz que cancelamento pode ser represália de Jatene por não apoiarmos seu candidato ao governo
A Secretaria Estadual de Cultura, através da coordenadora da Feira do Livro, Andressa Fonseca e da diretora de cultura da Secult, Ana Carolina Brito, anunciou que o XI Salão do Livro da Região do Baixo Amazonas, que seria realizado no período de 03 a 12 de agosto deste ano, foi cancelado.
Segundo a Secult, o motivo do cancelamento foi uma mensagem encaminhada pela Secretaria Municipal de Cultura de Santarém no dia 17/05/18, informando sobre a impossibilidade de assumir a parceria na realização do XI Salão do Livro da Região do Baixo Amazonas, conforme ocorrido nas 10 edições anteriores. Não havendo mais tempo hábil para qualquer outra solução em razão dos procedimentos licitatórios pertinentes e demais atos necessários, a SECULT lamenta informar que está cancelada a realização do referido Salão do Livro, em Santarém.
SECRETÁRIO CULPA ESTADO PELO CANCELAMENTO: O secretário municipal de Cultura, Luís Alberto Figueira (Pixica), em contato com nossa reportagem, mostrou indignação e disse lamentar o cancelamento do XI Salão do Livro da Região do Baixo Amazonas, este ano, uma vez que a situação financeira do País não permite à Prefeitura arcar com os custos do projeto. Segundo Pixica, este ano o governo do Estado, através da Secult, solicitou mais recursos para a logística, que inclui a refrigeração do espaço, banheiros químicos, segurança, som e palco. Luís Pixica diz que o Governo do Estado é o promotor do evento literário e deveria, portanto, arcar com as despesas.
“É importante frisar que o cancelamento do XI Salão do Livro em Santarém se deu pela Secretaria de Cultura do Estado, que é a responsável e é quem promove este evento. Diga-se de passagem, é o único evento da Secult em Santarém, não há nenhum outro evento que seja feito aqui em Santarém por eles. Eu tenho dito que esse cancelamento se deu  por conta de vontade própria da Secretaria de Cultura do Estado, inicialmente estava marcado para junho, foi adiado para agosto e agora eles cancelaram. É bem verdade que nós dissemos a eles que nós não teríamos condições financeiras para suportar o que fizemos no ano passado, quando investimos um valor altíssimo e esse ano não temos condições. Eles, então, acharam por bem cancelar. Na verdade, o que falta é vontade do Governo do Estado por Santarém, que sempre foi enganada em época de eleição. Vejam bem, chega na época se faz um pedaço do estádio municipal ou se faz um pedaço do ginásio poliesportivo de Santarém. Eu não tenho outra interpretação para este cancelamento que não seja politiqueiro, pois agora em agosto eles não teriam condições de falar no palanque. Por esse motivo, talvez eles cancelaram. Alegar que nós não temos a contrapartida suficiente para eles, uma vez que o Estado tem recursos muito maiores do que o município de Santarém, e se quiser fazer, faz. Essa história de dizer que não tem mais prazo para licitar também não me convence, porque se quisessem, adiariam para outubro ou novembro, mas se realizaria um grande evento. Quero dizer que nós iremos lutar ainda, para que se realize esse evento em Santarém neste ano, nós temos interesse que o XI Salão do Livro aconteça em Santarém. Essa é única participação do Estado no setor cultural em nosso Município”, disse o secretário Luís Alberto Pixica.
X SALÃO DO LIVRO HOMENAGEOU A POESIA: O X Salão do Livro da Região do Baixo Amazonas, que aconteceu no ano passado, homenageou a Poesia. O Evento organizado pelo Governo Estadual, por meio da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), com o apoio da Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) e demais parceiros, foi realizado no período de 24 de novembro a 03 de dezembro, no Espaço Pérola do Tapajós. Nesta edição, o escritor homenageado foi o poeta e jornalista Mário Faustino – intelectual que agitou a cena literária de Belém e do Rio de Janeiro nos anos 40 e 50 e que inovou a cobertura cultural nos jornais da época. O encerramento do evento aconteceu com o show nacional de Dado Villa-Lobos, o ex-integrante da Banda Legião Urbana.
Integrante da XXI Feira do Livro, maior evento de fomento à leitura do Estado do Pará, o X Salão do Livro, além de ter colocado à disposição dos seus visitantes 22 mil títulos, teve uma programação cultural intensa que englobou seminários, contação de histórias, workshops, shows, saraus de poesia, encontros literários locais e nacionais.
Naquela ocasião, o secretário de Cultura de Santarém, Luís Alberto Pixica referiu-se à grande importância do evento para a região ao afirmar que “Santarém chegou à décima edição do Salão por entender o alcance e o significado que com que esta ação repercute nos municípios dessa região e por isso abraçamos essa causa”. Até então, Pixica apostava na duração dessa parceria.
Em 2017, o X Salão do Livro trouxe para Santarém cerca de uma tonelada de livros. Segundo o representante da ANL, Robério Silva, o evento, para a cidade de Santarém, que tem apenas duas livrarias – uma de médio porte e outa de pequeno porte – foi um excelente momento de aquisição de volumes promocionais e de grandes lançamentos.
BANDA FILARMÔNICA DE SANTARÉM EMOCIONA PÚBLICO EM BELÉM: A participação inédita da Orquestra Filarmônica de Santarém e a Banda Filarmônica Municipal Professor José Agostinho no XXXI Festival Internacional de Música do Pará (Fimupa) realizado pelo Governo do Pará por meio da Fundação Carlos Gomes (FCG) emocionou a plateia que esteve presente no domingo (10) no Theatro da Paz, em Belém. A performance dos dois grupos musicais teve apoio institucional da Prefeitura de Santarém através da Secretaria Municipal de Cultura (Semc).
O diretor da Filarmônica Municipal Adson Wender destacou sobre a grandiosidade para os músicos na apresentação conjunta no palco histórico do Theatro da Paz. “Ficamos honrados pelo convite dos organizadores, o superintendente da Fundação Carlos Gomes, Paulo José Campos de Melo e o coordenador do Festival, Marcelo Jardim. Tocar no Theatro da Paz é uma experiência fantástica que será eternizada em nossas memórias. Dedicamos este concerto a três valorosas pessoas dedicadas a música de Santarém, Wilson Dias da Fonseca in memoriam, grande compositor, arranjador e maestro; Wilde Fonseca e Sebastião Sirotheau. Ao prefeito Nélio Aguiar e o secretário de cultura Luís Alberto Figueira pelo total e irrestrito apoio e manutenção da Banda Filarmônica Municipal”, destacou.
O secretário Luís Alberto Figueira disse que a apresentação dos músicos da Filarmônica e Orquestra no maior templo cultural do Pará é uma grande satisfação para o governo municipal que não mediu esforços em apoiá-los. “É um fato inédito. A apresentação no Festival Internacional foi maravilhosa. Estamos satisfeitos em participar diretamente. Este é o primeiro passo para que o mundo reconheça ainda mais a musicalidade dos artistas santarenos. Tivemos ainda a apresentação de uma das maiores compositoras e cantoras do Estado do Pará, Maria Lídia. Ouvi os aplausos e as felicitações dos presentes para a melhor apresentação de Santarém”, reforçou o titular da pasta da cultura no município.
“O concerto foi o sonho realizado dos nossos músicos. Foi uma oportunidade para termos contato com outros músicos de várias partes do mundo. Tivemos as participações de músicos de Santarém e de músicos da Fundação Carlos Gomes. Concretizamos o sonho antigo da Fundação, nesta participação de músicos de Santarém. Foi um momento de conquista e vitória de todo o grupo porque fomos selecionados para representar Santarém no Festival, em meio a tantos grupos da cidade. Mesmo após várias horas de viagem os músicos chegaram vibrantes e com garra. Fomos aplaudidos de pé pelo público que em uníssono pedia ‘bis’”, comentou o regente titular da Filarmônica, Rafael Brito.
Os dois grupos apresentaram-se com a regência do titular Rafael Brito e contaram com o desempenho de Almicar Gomes, do venezuelano Valmore Nieves, de regentes convidados, além da cantora e compositora santarena, Maria Lídia. E ainda, a Filarmônica Municipal, teve as participações das interpretes Márcia Alliverti, natural de Belém, com a música “Habanera da Opera Carmem”, do compositor Francês de Opeta e Priscila Castro, natural de Santarém com a música “Calundum da Mbóia”, da cantora e compositora Maria Lídia.
Por: Jefferson Miranda
Fonte: RG 15/O Impacto